quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Içar âncoras

Somente a vontade de querermos ser fiéis ao que nos é mais profundamente genuíno nos pode libertar dessas âncoras que nos retêm no que, não sendo verdadeiramente nosso, é de todos e de ninguém. Saibamos içar as âncoras que nos agrilhoam a uma vida dessacralizada do que nos torna seres conscientemente perfeitos e capazes de, num acto de audácia, viver em pleno a nossa condição de imortalizados mortais.

Sem comentários:

Enviar um comentário