terça-feira, 15 de novembro de 2011

Palavras orfãs

Há a crença de que a importância do perdão reside na palavra, no dizer. Mas de que servem as palavras quando, tantas vezes, são proferidas como orfãs do sentir?

Mais importante do que um perdoa-me ou um eu perdoo-te, é determinante afirmar perante a consciência pessoal de que se está apto, convicto e livre para o perdão. E só após essa tomada de consciência, só após a tomada de consciência de que não há perdão a outrém sem existir um auto-perdão sincero, é possível permanecer em verdade com as palavras e o que se sente ao proferi-las.

Basta de palavras orfãs de sentir! As palavras são demasiado nobres para serem usadas com leviandade.

1 comentário:

  1. São bem verdade, as tuas palavras. Quantas vezes o perdão é dado, sem que o coração o sinta...

    ResponderEliminar