sexta-feira, 30 de março de 2012

Uma coisa muito feia

Podia dizer que a guerra existe por imperar a lógica do ego, por imperar a ilusão do ter. Podia dizer que a guerra esmaga o outro, que o anula na sua individualidade. Podia dizer que a guerra conecta o humano à sua condição mais animalesca. Agustina Bessa-Luís escreve que a guerra “é uma atitude de indivíduos abandonados à razão, incluindo a razão do seu mundo interior isolada do mundo exterior.”

A guerra é tudo isto que supracitei. Ainda assim, prefiro dizer que a guerra é uma coisa muito feia.

3 comentários:

  1. uma coisa muito feia:
    pode ser a guerra ser o contraste da paz, a mudança de quereres e sentires a inovadora de outras arquiteturas de vidas de Mundos, de galáxias,mas não será por uma outra forma de amor que se faz guerra?
    Letinha

    ResponderEliminar
  2. podes ser melhor do que isto? não, és o melhor nisto :)

    ResponderEliminar