quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Uma bênção

Hoje, tropecei numa antiga bênção celta que, pela beleza pura das palavras que contém, me transporta para o que de mais elevado tem o ser.
Todas as palavras têm poder. A nós, cabe-nos a escolha de como usá-lo.

“Que jamais, em tempo algum, o teu coração acalente ódio.
Que o canto da maturidade jamais asfixie a tua criança interior.
Que o teu sorriso seja sempre verdadeiro.
Que as perdas do teu caminho sejam sempre encaradas como lições de vida.
Que a música seja tua companheira de momentos secretos contigo mesmo.
Que os teus momentos de amor contenham a magia de tua alma eterna em cada beijo.
Que os teus olhos sejam dois sóis olhando a luz da vida em cada amanhecer.
Que cada dia seja um novo recomeço, onde a tua alma dance na luz.
Que em cada passo teu fiquem marcas luminosas da tua passagem em cada coração.
Que em cada amigo o teu coração faça festa, que celebre o canto da amizade profunda que liga as almas afins.
Que nos teus momentos de solidão e cansaço, esteja sempre presente no teu coração a lembrança de que tudo passa e se transforma, quando a alma é grande e generosa.
Que o teu coração voe contente nas asas da espiritualidade consciente, para que tu percebas a ternura invisível tocando o centro do teu ser eterno.
Que um suave conforto te acompanhe, na terra ou no espaço, e por onde quer que o imanente invisível leve o teu viver.
Que o teu coração sinta a presença secreta do inefável!
Que os teus pensamentos e os teus amores, o teu viver e a tua passagem pela vida, sejam sempre abençoados por aquele amor que ama sem nome. Aquele amor que não se explica, só se sente.
Que esse amor seja o teu acalento secreto, viajando eternamente no centro do teu ser.
Que a estrada se abra à tua frente.
Que o vento sopre levemente às tuas costas.
Que o sol brilhe morno e suave na tua face.
Que a chuva caia de mansinho em teus campos.
Que respondas ao chamado do teu Dom e encontres a coragem para seguir-lhe o caminho.
Que o ardor do coração mantenha a tua presença flamejante e que a ansiedade jamais te ronde.
Que a tua dignidade exterior reflicta a dignidade interior da alma.
Que tenhas tempo para celebrar os milagres silenciosos que não buscam atenção.
Que sejas consolado na simetria secreta da tua alma.
Que sintas cada dia como uma dádiva sagrada tecida em torno do cerne do assombro.
E, até que nos encontremos de novo...
Que os deuses te guardem na palma de suas mãos.
Que despertes para o mistério de estar aqui e compreendas a silenciosa imensidão da tua presença.
Que tenhas alegria e paz no templo dos teus sentidos.
Que recebas grande encorajamento quando novas fronteiras acenam.
Que este amor transforme os teus dramas em luz, a tua tristeza em celebração, e os teus passos cansados em alegres passos de dança renovadora.
Que jamais, em tempo algum, te esqueças da Presença que está em ti e em todos os seres.
Que o teu viver seja pleno de Paz e Luz!”

2 comentários:

  1. Olá, Samuel, tudo bem?

    Ontem reativei meu blog e observando as postagens antigas vi vários comentários seus. Achei bacana a sua participação em meus posts. Se tiver interesse, d~e uma olhadinha no novo post:http://pequenasimpressoes.blogspot.com.br/2012/10/sobre-as-borboletas.html

    Abraços,

    ResponderEliminar
  2. Excelente benção. Sintamo-nos todos abençoados e que assim seja.

    ResponderEliminar