quinta-feira, 3 de julho de 2014

Ode ao Largo do Rato

o Rato roeu a rolha
o Rato roeu a rolha do garrafão
o Rato roeu a rolha do garrafão do Rei,
o Rato roeu a rolha do garrafão do Rei que não é rei,
o Rato roeu a rolha do garrafão do Rei que não é rei nem tem reinado,
o Rato roeu a rolha do garrafão do Rei que não é rei nem tem reinado e é da República!

o Rato roeu a rolha, o garrafão, o Rei que não é rei, o reinado e a República
Da corda da forca, o Rato só roeu um pedacinho
para que não digam que só rói quando lhe convém.
E de tanto roer
a rolha furou
o garrafão quebrou
o Rei que não é rei nem tem reinado amuou
a República não se (as)segurou
e o Rato ficou sem dentes.

Já não rói mais nada nem ninguém.


Lisboa, 3 de Julho de 2014 – 18h58m

Sem comentários:

Enviar um comentário