quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Terra Sagrada

Apenas existe um caminho destinado a todos os homens e mulheres da Terra. Esse caminho chama-se Amor. Quem escolhe segui-lo, segue a verdade. Quem o recusa, segue a ilusão. Todos os caminhos que parecem desenhar-se à nossa frente, que não o Amor, são projecções de um ego que tem medo de perder o controlo diante da liberdade total que o Amor representa. O Amor é a porta para a libertação da consciência. Nele e através dele, subimos as escadas da evolução até à Fonte. E esse Amor não é uma noção oca e vazia de sentido, um sentimento que se racionaliza. Esse Amor é a divindade que habita em todas as coisas e a capacidade de a reconhecer com um mero olhar. É um espírito. Uma vibração. Aceitá-lo é dizer sim a uma compreensão maior da realidade, menos polarizada, mais abrangente. Entender que o bem e o mal são meras facetas de uma mesma energia que se atrai e se repele. Entender que o ódio não finda tendo ódio como resposta, apenas duplica. Entender que um erro não se corrige através do julgamento, mas tendo consciência de que é um pedaço da estrada que nos leva à evolução, aceitando-o. O Amor só vencerá sobre a Terra se cada um dos humanos que a habitam se focarem em expandi-lo. Não através de uma evangelização rígida e planeada, mas através da espontaneidade da acção em todos os dias das nossas vidas, sorrindo, tocando e abraçando o outro como um igual. Quando entendermos isto, quando integrarmos em nós que a única verdade que existe é a universalidade do Amor, estaremos prontos para assumir a nossa própria mestria e viver neste planeta de acordo com o lugar sagrado que ele já é.


Alcanhões, 22 de Janeiro de 2015 – 23h32m

3 comentários:

  1. O Amor é vida, é a ausência do medo e a resposta de todas as coisas. Parabéns pelo texto. :)

    ResponderEliminar
  2. Viver o Amor neste lugar sagrado... Que belo texto, Samuel. Obrigada por me obrigar a reflectir sobre ele.
    Um beijo

    ResponderEliminar