quinta-feira, 19 de março de 2015

Ao poeta Mohammed al-Ajami

Cortaram-me as mãos
para que não escrevesse.

Meus pés aprenderam o ofício.

Serraram-me os pés
para que não escrevesse.

Aprendi com a boca a inscrever a letra.

Coseram-me a boca
para que não escrevesse.

Com a garganta entoei o som.

Romperam-me a garganta.
Não mais voltei a dizer.

Outro poeta disse-o por mim.


Alcanhões, 19 de Março de 2015 – 11h02m

1 comentário:

  1. Um poema tão maravilhoso que arrepia. Obrigada, Samuel.
    Um beijo.

    ResponderEliminar