domingo, 18 de outubro de 2015

Luaty

aos presos políticos em Angola

Não queiras que o teu nome seja o de um mártir
quando cada gesto teu arde de esperança.

Não queiras ser o rosto deste tempo de ignomínia
tu que és feito da mesma matéria que os astros.

Não queiras ser a cinza do regime que te oprime.
És coluna de um tempo novo que havemos de construir.


Alcanhões, 18 de Outubro de 2015 – 15h25m

2 comentários:

  1. "cada gesto teu arde de esperança". Que belíssima homenagem a este homem livre. Gostava de ter escrito este poema, Samuel.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Samuel canta aqui uma ode à liberdade e ao direito à vida que todos precisamos e amamos. Samuel... PRAZER EM CONHECÊ-LO. Parabéns...

    ResponderEliminar