terça-feira, 12 de janeiro de 2016

[Diário de Bordo, Texto 8] Feudos

Em conversa com algumas pessoas aqui da aldeia, apercebo-me cada vez mais do isolamento que esta região enfrenta, não só motivado pela morfologia do território, mas essencialmente pelo facto de os grandes centros de decisão do país, concentrados na capital, estarem alheios à valorização das povoações do interior.

Além da limitação de serviços disponíveis, seja na saúde ou na educação, do abandono dos jovens, que partem para as capitais de distrito ou para as cidades do litoral, ou do envelhecimento da população, deparei-me com a pouca oferta de emprego, em que alguns trabalhadores chegam a sujeitar-se a condições laborais inenarráveis por não terem alternativas, especialmente as mulheres operárias. As grandes empresas que existem pertencem a uma minoria de famílias endinheiradas, minoria essa pouco ou nada interessada na captação de investimento externo para a região, sob pena de ficarem sem mercado. Curioso que, se analisarmos pormenorizadamente, descobrimos que essa minoria é influente nos centros decisores regionais. Como o poder central se esqueceu que Portugal está além de Lisboa, uma região de enormes potencialidades como esta vai ficando à mercê das vontades de um grupo que parece pouco interessado no desenvolvimento de toda a comunidade. O cenário é ainda mais dantesco quando percebemos que não é só aqui que sucede, é por todo o país.

Portugal vive em República há mais de cem anos, mas viveu em Monarquia desde a sua fundação. As marcas dessa mentalidade que separava privilegiados de não privilegiados ainda são visíveis. Pior, por vezes parece que ainda se vive sob um regime organizado por feudos muito mal geridos, com direito a vassalagens, títulos e todos os salamaleques que existem e que ainda estão por inventar. Podemos ser uma República no papel, mas ainda precisamos de elevar muito as nossas consciências para nos olharmos, simplesmente, como iguais na nossa condição de humanos.


Pinheiro (Carregal do Sal), 12 de Janeiro de 2016 – 19h03m

Sem comentários:

Enviar um comentário