sábado, 26 de março de 2016

O segredo de Perséfone

A Páscoa cristã tem raízes na Pessach, a celebração judaica que recorda a libertação dos hebreus do Egipto. Ambas têm raízes ainda mais profundas, que remontam aos cultos pagãos à deusa Ostara, realizados no equinócio da Primavera. As três festividades estão entrelaçadas, pois cumprem um propósito comum: lembrar aos homens que a vida prevalece sempre sobre a morte. Que a sombra, seja a que perdura nas longas noites do Inverno, a que pairou sobre a escravidão dos hebreus no Egipto ou a que levou Jesus à crucificação, perece sempre diante da luz, dos dias claros da Primavera e das sementes que começam a eclodir, da promessa da Terra Prometida, da ressurreição e da vida eterna.

Tem sido essa a narrativa épica da humanidade, somos a vida que prevaleceu diante dos mortos do passado, somos o resultado da luta entre a luz e a sombra. E se essa luta tem sido motor para a nossa evolução, e também para o nosso controlo, milénio atrás de milénio, há-de vir o tempo em que não será mais precisa, em que saberemos superar a dualidade com que nos iludimos, para compreender que o mundo não se divide, somente, entre as trevas e a claridade. Quando abandonarmos a palavra luta do nosso vocabulário, tomaremos consciência de que não é dividindo que se agrega e que entre todos os opostos há um espelho que os reflecte. Temos de compreender que o espelho somos nós e que há um terceiro caminho para percorrer.

Neste tempo das luzes, nesta Primavera e nesta Páscoa, quando vivemos rodeados de tanto medo e de tanto ódio, desejo que cada vida possa ser expressão da força que nos nutre a nós, humanos, e aos animais, às plantas, aos minerais, à Terra, ao Universo. Que sejamos a vida que prevalece, sabendo, como Perséfone, caminhar entre a luz e a sombra. Sabendo, como Perséfone, fazer a escolha certa.


“O CAMINHO DO MEIO

Conhecer as trevas e a claridade
        como Perséfone
        que transita entre mundos
e do confronto da luz e das sombras
desvendar uma terceira escolha.”

in “Ágora”, Livros de Ontem, 2015


Alcanhões, 26 de Março de 2016 – 18h18m



Samuel F. Pimenta

1 comentário:

  1. "Que sejamos a vida que prevalece, sabendo, como Perséfone, caminhar entre a luz e a sombra. Sabendo, como Perséfone, fazer a escolha certa." Tão excelente, o texto, Samuel.
    Um beijo.

    ResponderEliminar