segunda-feira, 25 de abril de 2016

EU SOU LIVRE

Quero a liberdade plena. Não quero a liberdade imposta por uma cultura, por uma sociedade, por um Estado. Não quero que se encha o peito para falar de uma liberdade que oprime, de uma liberdade que não o é. Pois quantas pessoas sobem ao podium, hoje, para discursar sobre opressão e controlo camuflados de liberdade?

Quero ter autodeterminação e poder exercer o meu livre-arbítrio sem olhares e palavras e gestos que censuram, julgam e querem dominar. Quero poder ser quem sou, tal como quero que todas as pessoas também possam ser quem são. Quero a multiplicidade. De identidades, de vontades, de ideias, de géneros, de culturas, de corpos, de criações, de perguntas e respostas. Quero a liberdade plena. Tudo o resto é uma aproximação à liberdade. Fica aquém.

Há uma expressão que me inquieta desde que tenho consciência de mim: “tem de haver mais para além disto, tem de haver mais”. É ela que me tem feito evoluir, expandir o conhecimento sobre o universo que sou. É a minha utopia. E será por ela que resgatarei a liberdade a que tenho direito. Aquela que, dentro do que é possível nesta realidade a três dimensões em que vivo, permite que eu me cumpra. E me liberte.

Alcanhões, 25 de Abril de 2016 – 11h41m


Samuel F. Pimenta

1 comentário:

  1. "Liberdade que estás em mim, santificado seja o vosso nome", disse Miguel Torga.
    Como gostei do teu texto, Samuel...
    Um beijo.

    ResponderEliminar